2020 Notícias

Um bem-sucedido projeto de demonstração da PrEP para trabalhadoras do sexo

O Ashodaya, projeto de demonstração da profilaxia pré-exposição (PrEP) ao HIV para  trabalhadoras do sexo, realizado entre 2016  e 2018, na Índia, mostrou como os programas de prevenção ao vírus e de PrEP devem ser fortalecidos e suas implementações aceleradas para além dos projetos-pilotos.

Os esforços de prevenção ao HIV entre as profissionais do sexo têm se concentrado tradicionalmente no uso de preservativos e, embora uma série de programas exitosos tenha contribuído para o declínio de novas infecções na região da Ásia-Pacífico, essas mulheres ainda enfrentam uma carga desproporcional de infecção. Em 2019, 9% dos 300 mil novos casos de HIV estimados na região ocorreram entre profissionais do sexo. Globalmente, o risco relativo de infecção pelo HIV é 30 vezes maior nessa população-chave do que entre a população em geral.

O Ashodaya foi uma iniciativa liderada pela comunidade local e apoiada pela Fundação Bill e Melinda Gates. “Nosso projeto mostra que o fornecimento da profilaxia pode ser integrado de forma eficaz aos serviços já existentes de prevenção e atendimento para profissionais do sexo, resultando em alta adesão e retenção. Temos a obrigação de disponibilizar a PrEP como uma ferramenta adicional de proteção e estamos trabalhando para isso”, afirmou Bhagya Lakshmi, uma das coordenadoras do projeto.

O projeto apresentou ótimos resultados. Altos índices de continuidade no uso da profilaxia foram relatados, com 99% das 647 participantes completando os 16 meses de acompanhamento. Embora a adesão fosse de apenas 70% no terceiro mês, aumentou para 90% no sexto mês e subiu para 99% no último mês do projeto. A adesão autorrelatada foi verificada por meio de exames de sangue realizados em subconjuntos de participantes.

O Ashodaya não ajudou apenas a dissipar alguns temores infundados sobre a PrEP, como também mostrou os benefícios da prevenção. Mesmo durante o projeto, o uso de preservativo permaneceu estável, com 98% de utilização em clientes ocasionais, 92% em clientes recorrentes e 63% em clientes fixos. Não houve aumento nos índices de infecções sexualmente transmissíveis e nenhum novo caso de HIV foi registrado.

Fonte: site da Unaids, de 7 de outubro.

(https://www.unaids.org/en/resources/presscentre/featurestories/2020/october/20201007_prep-india)