Estudos e Pesquisas 2019

Fatores Associados à Disposição para Usar PrEP

Em junho de 2019, foi publicado o primeiro artigo científico do projeto ImPrEP, intitulado Fatores Associados à Disposição para Usar PrEP, fruto de pesquisa on-line com gays, bissexuais e outros homens que fazem sexo com homens (HSH) brasileiros, mexicanos e peruanos, realizada no primeiro semestre de 2018.O artigo foi publicado no renomado periódico JMIR Public Health and Surveillance (https://publichealth.jmir.org/2019/2/e13771/).

O HIV afeta de forma desproporcional as populações estudadas. No Brasil e no México, a prevalência do vírus entre HSH está em torno de 17%, no Peru, 13%, enquanto para a população geral em cada país esse índice é inferior a 0,5%. A profilaxia pré-exposição (PrEP) é uma estratégia implementada no contexto da prevenção combinada e os primeiros dados acerca da disposição de usá-la entre HSH começaram a surgir nos últimos anos.

Realizada por meio do Hornet e do Grindr, aplicativos para encontros voltados à população HSH, e também no Facebook, o levantamento foi iniciado com 43.687 participantes, 20% deles considerados inelegíveis por serem menores de idade, HIV positivo ou pertencerem a outro gênero que não o retratado pelo estudo. Com mediana de idade de 28 anos, 19.457 completaram o questionário: 58% do Brasil, 31% do México e 11% do Peru.

Os resultados da pesquisa indicam que quase 20% dos entrevistados nunca fizeram teste para HIV e 40% relataram terem feito sexo anal sem preservativo nos seis meses anteriores às respostas fornecidas. Enquanto 67% seriam elegíveis para PrEP, apenas 10% apresentavam alta percepção sobre o risco de contrair o HIV.

O artigo indica que, no geral, 64% dos participantes estavam dispostos a iniciar a PrEP. Trata-se de um índice considerado alto. Nos recortes ajustados para idade, escolaridade e renda em cada país, a disposição para o uso da profilaxia foi positivamente associada ao conhecimento prévio da PrEP e negativamente a barreiras comportamentais, como preocupações com a obrigação de ingerir um comprimido todos os dias.

Em suas conclusões, o artigo aponta a necessidade de aumentar a conscientização e o conhecimento acerca da PrEP no tocante a sua segurança e eficácia, itens considerados cruciais para aumentar a demanda pela profilaxia.

Importante destacar, ainda, que o material-base da pesquisa já subsidiou outras análises que abordaram dados sociodemográficos, comportamento sexual, risco para infecção pelo HIV, barreiras e facilitadores para PrEP e autoteste para HIV. Para conhecer os principais resultados desses estudos, basta acessar a primeira edição do boletim ImPrEP em Rede, em https://imprepemrede.wixsite.com/imprepemrede.

Autores do artigo: Thiago Silva Torres, Kelika A. Konda, E. Hamid Vega-Ramírez, Oliver A. Elorreaga, Dulce Diaz-Sosa, Brenda Hoagland, Steven Diaz, Cristina Pimenta, Marcos Benedetti, Hugo Lopez-Gatell, Rebeca Robles-Garcia, Beatriz Grinsztejn,Carlos Cáceres e Valdiléa G. Veloso,do projeto ImPrEP