Outros temas

Um quarto dos homens gays do Reino Unido relatou sexo casual durante o lockdown

Durante o lockdown do coronavírus no Reino Unido, a maioria dos homens gays e bissexuais parou de fazer sexo casual e dois terços dos usuários da profilaxia pré-exposição (PrEP) ao HIV interromperam o seu uso, segundo pesquisa sobre o comportamento sexual dos usuários de aplicativos de conexão gay, realizada pela Universidade de Westminster, pela Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, entre outras instituições.

Os resultados intermediários mostram que 1.386 homens gays ou bissexuais completaram a pesquisa, entre 17 de abril e 8 de maio. Dados de outros participantes, incluindo entrevistados trans e não binários, serão relatados posteriormente. A amostra foi recrutada por meio do aplicativo de conexão gay Grindr, mídias sociais, redes de pesquisadores e organizações comunitárias.

Os entrevistados gays e bissexuais foram predominantemente brancos (85%), com idade média de 36 anos. Cerca de 12% dos entrevistados foi diagnosticada com HIV. Quase um terço vive por conta própria, um quinto mora com os pais ou familiares, um quinto com parceiros e quase um quarto divide a moradia com amigos.

Durante o confinamento, 24% relataram sexo casual. Metade teve apenas um parceiro casual, enquanto 5% disseram ter tido contato com mais de cinco. A solidão e a necessidade de contato físico íntimo foram destacadas como razões importantes para o sexo.

Questionados por quanto tempo seriam capazes de evitar sexo casual por conta do coronavírus, 57% afirmaram que poderiam esperar por até seis meses, aproximadamente 10% que poderiam se abster por um mês e 30% por até três meses. Como as restrições foram postas em prática há pouco mais de 90 dias, acredita-se que o número de homens conectados (e necessitando de serviços de saúde sexual) poderá aumentar em breve.

Trinta por cento dos entrevistados faziam uso de PrEP antes do surto da Covid-19 e, destes, dois terços interromperam o uso regular da profilaxia. O motivo mais comum para a interrupção foi não fazer sexo durante o período. A incapacidade de obter a PrEP foi uma causa pouco comum: menos de 5% não conseguiram a profilaxia em sua clínica habitual e menos de 5% relataram problemas ao acessar a oferta de PrEP via forma on-line.

Fonte: site do Aidsmap, de 11 de junho.

(https://www.aidsmap.com/news/jun-2020/quarter-gay-men-report-casual-sex-during-uk-lockdown)